Bem-vindos!

Bons amigos, valorosos guerreiros da espada e da magia, nobres bardos e todos aqueles com quem tiver o prazer de cruzar meu caminho nesta valorosa, emocionante e por vezes trágica jornada em que me encontro! É com grande alegria e prazer que lhes dou as boas-vindas, e os convido a lerem e compartilharem comigo as crônicas e canções que tenho registradas em meu cancioneiro e em meu diário...Aqui, contarei histórias sobre valorosos heróis, batalhas épicas e grandes feitos. Este é o espaço para que tais fatos sejam louvados e lembrados como merecem, sendo passados a todas as gerações de homens e mulheres de coração bravo. Juntos cantemos, levando as vozes daqueles que mudaram os seus destinos e trouxeram luz a seus mundos a todos os que quiserem ouvi-las!Eu vos saúdo, nobres aventureiros e irmãos! Que teus nomes sejam lembrados...
(Arte da imagem inicial por André Vazzios)

Astreya Anathar Bhael

quarta-feira, 25 de maio de 2011

As Crônicas de Elgalor Capítulo VIII: A Guerra dos Reis (Parte 3)



Boa noite, nobres companheiros! Apesar da seca de pergaminhos que vem acometendo meu humilde Cancioneiro no mês de maio, as Crônicas de Elgalor felizmente continuam!

Espero que apreciem, e boa leitura, bravos aventureiros!

As Crônicas de Elgalor Capítulo VIII: A Guerra dos Reis (Parte 3)

Por ODIN.

A bela princesa Meliann abriu os portões dourados do palácio de seu pai e viu no jardim Astreya e Evan conversando tensos, aparentemente preocupados com o resultado do encontro do rei Coran Bhael com o Grande Rei Thingol Shaeruil. Meliann fixou seus olhos claros em Astreya por um momento. Logo em seguida, caminhou em direção à barda.

- Lady Astreya de Sírhion? – perguntou Meliann com uma voz doce, porém distante.
- Sim – Astreya se virou, e quando viu a jovem princesa de Sindhar fez uma mesura. Evan a acompanhou no gesto.
- Dizem que você é a trovadora real de Sírhion, e que está sempre próxima do rei Coran.
- Sou a trovadora real, vossa alteza – respondeu Astreya – e quando me é possível, de fato permaneço na companhia do rei Coran, como requer meu ofício. Algo a perturba?
Novamente, Meliann ficou calada, apenas observando Astreya.
- Você é uma mulher muito gentil e bonita, barda – disse Meliann finalmente.
- Não tanto quanto você – respondeu Astreya sinceramente sem entender onde Meliann desejava chegar.
- Acho que compreendo agora por que Coran Bhael se recusou a atender o pedido de meu pai – disse Meliann com um tom de voz suave mas nitidamente perturbado – por que ele se recusou a se casar comigo.

Desta vez foi Astreya quem ficou muda. Ela já se sentia um tanto insegura e até mesmo intimidada diante da bela princesa de Sindhar. Aquela era provavelmente a mulher mais linda que Astreya já havia visto. A beleza de Meliann era um dos raros casos onde as canções dos bardos não exageravam nem um pouco. Estar diante de Meliann e saber que Thingol havia cogitado a união dela com Coran deixou a barda completamente perplexa.
Notando o desconforto de Astreya, Evan colocou a mão no ombro da amiga e disse:
- Acredito que eu esteja sobrando nesta conversa. Tentarei conseguir informações sobre o exército de Sindhar o capitão da guarda, e encontro você dentro de uma hora.
- O nobre Bheleg não irá recebê-lo, bravo cavaleiro – disse Meliann a Evan.
- Por que sou um “meio humano”, não? – respondeu o paladino sem hostilidade na voz.
- Vocês não têm direito de nos julgar, nobre paladino – respondeu Meliann de maneira extremamente cortês – não sabem o que foi tirado de meu pai e de meu povo.
- Então, com sua licença – respondeu Evan fazendo uma mesura para cortar o assunto enquanto se virou e caminhou para fora da praça.
- Eu... – disse Astreya – eu não sabia disto. O rei Coran não havia dito nada sobre o que ele e Thingol discutiram semanas atrás.
- Vocês são amantes? – perguntou Meliann bruscamente, irritada pela maneira como Evan a havia ignorado.
- Com todo respeito - disse Astreya aborrecida com a pergunta – isso não lhe diz respeito, vossa alteza.
As duas bardas se encararam por alguns poucos segundos, até que Meliann instintivamente baixou o olhar. Apesar de delicada e gentil, Astreya já vira algumas das coisas mais terríveis que o mundo tinha a oferecer, e Meliann percebeu naquele instante que uma mulher que sempre vivera cercada pela proteção do pai não poderia encarar os olhos de alguém como Astreya.
- Perdoe-me – disse Meliann com sinceridade – não quis ofendê-la. Apenas...
- Eu sei o que a recusa de Coran deve ter representado para seu pai, Meliann – disse Astreya gentilmente – mas lhe garanto que não sabia nada sobre isso.
- Mas se sente feliz por Coran ter recusado, não é? – perguntou Meliann.
- Sim – respondeu Astreya sem conseguir mentir – sim, eu me sinto.
- Eu a invejo, Astreya de Sírhion. Não pelo seu amado, mas por poder estar tão perto de alguém que ama.
- Existe algum homem a quem você entregou seu coração, Meliann? – perguntou Astreya descobrindo que agora sentia apenas pena, e não ciúmes da princesa de Sindhar.

Meliann baixou o olhar por um instante e depois, fitando os olhos de Astreya disse:
- Sim, Astreya de Sírhion. Há alguém que amo e que também me ama, mas infelizmente nossos deveres nos impedem de ficarmos juntos.
- E quem é essa pessoa, Meliann? – perguntou Astreya sentindo que a princesa realmente queria conversar um pouco sobre aquilo. Para a meio elfa, duas pessoas que se amam jamais deveriam ficar separadas, e ela sabia como as obrigações de Coran mantinham os dois a uma relativa distância. Neste momento, Astreya percebeu que o que sentia de verdade por Meliann era simpatia.

Antes que Meliann pudesse responder a pergunta de Astreya, uma voz ecoou alta e debochada das portas do palácio dourado.
- Por Corellon, Astreya – disse Aramil se aproximando – pare de incomodar a princesa com suas tolices sentimentais.
Astreya olhou com raiva para Aramil, mas Meliann desviou o olhar e foi tomada por um grande sentimento de vergonha.
- Onde está meu pai lorde Aramil? – perguntou Meliann tentando desviar o assunto– a reunião de vocês já terminou?
- Sim, vossa alteza – respondeu Aramil fazendo uma reverência – logo partiremos.
- Para onde? – perguntou Astreya ainda zangada com a indiscrição do mago.
- Darakar – disse Aramil – para o claustrofóbico e sujo reino dos anões.

Neste momento, Coran deixou o palácio e se aproximou de todos eles. Seu semblante era tenso e preocupado, como se o rei sentisse que o peso do mundo pairava sobre suas cabeças, e que estivesse a ponto de cair violentamente...

4 comentários:

  1. Rhorvals Alhanadel, o Ciclone de Aço26 de maio de 2011 15:57

    Obrigado por escreverem e compartilharem essa excelente saga! Espero que saia logo a continuação!

    Aposto 500 moedas de platina que é o Bheleg a paixão secreta da Meliann!

    ResponderExcluir
  2. E obrigada por lê-la e pelo comentário, caro Rhorvals!

    Vamos ver se você acerta o palpite...!

    ResponderExcluir
  3. Ai ai... a gente fica aqui ansiando pra que a história acabe, mas quando chegar ao fim, vou sentir falta. Excelente, grande Odin!

    ResponderExcluir
  4. Grato por vosso apoio e atenção, nobre clérigo!

    ResponderExcluir