Bem-vindos!

Bons amigos, valorosos guerreiros da espada e da magia, nobres bardos e todos aqueles com quem tiver o prazer de cruzar meu caminho nesta valorosa, emocionante e por vezes trágica jornada em que me encontro! É com grande alegria e prazer que lhes dou as boas-vindas, e os convido a lerem e compartilharem comigo as crônicas e canções que tenho registradas em meu cancioneiro e em meu diário...Aqui, contarei histórias sobre valorosos heróis, batalhas épicas e grandes feitos. Este é o espaço para que tais fatos sejam louvados e lembrados como merecem, sendo passados a todas as gerações de homens e mulheres de coração bravo. Juntos cantemos, levando as vozes daqueles que mudaram os seus destinos e trouxeram luz a seus mundos a todos os que quiserem ouvi-las!Eu vos saúdo, nobres aventureiros e irmãos! Que teus nomes sejam lembrados...
(Arte da imagem inicial por André Vazzios)

Astreya Anathar Bhael

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Os Filhos da Noite


Boa noite, amigos! É com grande honra que trago-vos neste dia uma canção escrita por um de meus melhores amigos, o alter-ego de Oyama Flagelo das Feras, também conhecido como Gleyson.


Ela foi cantada por um bardo que utilizava-se de instrumentos de percurssão, e fez todos os que estavam presentes na taverna da cidade de Leatan ficarem com o sangue gelado. A ameaça de um lord Vampiro paira sobre as almas dos intrépidos companheiros Eldarion, Kramer, Lothíriel, Edayn, Erkenbrand e Lúcio...


Seres sombrios que deviam jazer,
pela vontade do inferno teimam em ser
O sangue do bem eles tramam em ter
e nada que tente os pode deter

Sua moeda é o sangue
Seu sol é a lua
Sua história é o nada
E seu medo é a cura!

Seus olhos vermelhos
Seus rostos sem cor
A morte que anda
São os primos da dor...

A vida que pulsa é sua angústia
O espelho reflete mas não há nada a se ver
A água que corre é uma muralha a passar
Assim como a recusa para a entrada no lar

No seu corpo o sangue é de outro, furtado com a presa a gemer
Não sente, não respira, não come, está morto e assim deve ser
Mas anda, mata e conquista como a maldição o obriga a fazer!


Que Pelor e sua luz estejam com tais aventureiros em sua difícil missão!

8 comentários:

  1. Não temam! O Clérigo está aqui pronto para expulsar tal criatura maléfica!

    ResponderExcluir
  2. Foi uma bela e esclarecedora canção. Agora, peço licença pois devo me preparar para junto de meus amigos varrer estes malditos de nosso continente.

    ResponderExcluir
  3. Nubling Erkenwald6 de julho de 2010 07:26

    Vocês precisarão de muito alho, e um clérigo de Pelor com o domínio do Sol, e se esse Lord Vampiro for mesmo um Lord, ele terá um amor antigo não correspondido, e estará correndo atrás de uma bela donzela.

    ResponderExcluir
  4. Bela canção. Lady Astreya, recebi um comentário seu em meu blog e, minutos depois, não estava mais lá. O que quer que tenha acontecido, agradeço pelo apoio.

    ResponderExcluir
  5. Hahaha! Contamos com tua ajuda, amigo clérigo, e pode ser que estejas certo, Nubling, quem sabe... Eldharion, desejo-lhes sucesso e não percas a fé!

    Amigo Jaco, a entidade do blogger parece estar preguiçosa... só agora pouco consegui visualizar todos os vossos comentários de uma vez, pois antes não havia nada. Mas parabéns por vossa saga, está ficando cada vez mais interessante!

    ResponderExcluir
  6. Bela Canção! Pena que Krull terá que cortar a cabeça do Gleyson, por ele não ter enviado esta bela obra para o templo das artes passado cujo tema era: Vampiros!

    ResponderExcluir
  7. Me desculpe amigo Frodo,
    eu queria que a música fosse uma surpresa na aventura para marcar a segunda parte da campanha.

    prometo que vou participar do templo das artes essa semana para tentar me redimir com Krull e poupar minha jovem cabeça.

    ResponderExcluir
  8. ahhaha, está desculpado então rss

    ResponderExcluir