Bem-vindos!

Bons amigos, valorosos guerreiros da espada e da magia, nobres bardos e todos aqueles com quem tiver o prazer de cruzar meu caminho nesta valorosa, emocionante e por vezes trágica jornada em que me encontro! É com grande alegria e prazer que lhes dou as boas-vindas, e os convido a lerem e compartilharem comigo as crônicas e canções que tenho registradas em meu cancioneiro e em meu diário...Aqui, contarei histórias sobre valorosos heróis, batalhas épicas e grandes feitos. Este é o espaço para que tais fatos sejam louvados e lembrados como merecem, sendo passados a todas as gerações de homens e mulheres de coração bravo. Juntos cantemos, levando as vozes daqueles que mudaram os seus destinos e trouxeram luz a seus mundos a todos os que quiserem ouvi-las!Eu vos saúdo, nobres aventureiros e irmãos! Que teus nomes sejam lembrados...
(Arte da imagem inicial por André Vazzios)

Astreya Anathar Bhael

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

As Crônicas de Elgalor - Capítulo 18: Contagem de corpos


Amigos e visitantes. Mal tenho palavras para descrever o novo capítulo das Crônicas de Elgalor. Com grande honra as trago sob a benção e a pena de Odin.

Boa leitura... e que os ventos da boa sorte estejam com todos vós.

As Crônicas de Elgalor - Capítulo 18: Contagem de corpos.
Por Odin.

Erol estava morto, com a cabeça partida ao meio pelo machado de Bulma.
Bulma estava no chão com o abdômen trespassado pela espada de Thurxanthraxinzethos.
Astreya estava inconsciente, com a traquéia parcialmente esmagada.
Não havia sinal de Aramil ou Hargor; ambos poderiam já estar mortos.

Oyama sabia que estava sozinho contra Thurxanthraxinzethos, um monstro cruel e astuto que certamente o mataria com apenas um golpe, e o faria da maneira mais perversa e dolorosa possível. Mesmo assim, Oyama não sentia medo. Apenas ódio.

Muito ódio.

Oyama gritou com toda a força de seus pulmões e disparou em uma investida suicida contra Thurxanthraxinzethos. O meio dragão sorriu e correu na direção do monge, com sua enorme espada preparada para desferir um ataque circular que partiria o corpo de Oyama com a mesma dificuldade que uma faca corta um pedaço de manteiga. Em um feito digno de ser lembrado pelas canções dos bardos, Oyama saltou e desferiu um poderoso chute frontal que atingiu como um martelo a boca de Thurxanthraxinzethos, arrancando mais três dentes do meio dragão. O meio dragão foi arrastado um metro para trás com a força do impacto, mas antes que Oyama chegasse ao chão e atacasse novamente, Thurxanthraxinzethos agarrou a perna do monge com sua mão direita e girou sua espada flamejante impiedosamente, em um ataque terrível que decepou a perna que Oyama usara para golpeá-lo duas vezes.
Oyama caiu no chão cerrando os dentes para não dar a Thurxanthraxinzethos o prazer de ouvi-lo gritar; as chamas da espada de Thurxanthraxinzethos haviam cicatrizado o terrível corte, mas a dor que Oyama sentia era absolutamente indescritível.
- Gosta de me chutar, meretriz dos anões? – zombou Thurxanthraxinzethos cuspindo sangue enquanto decepava a outra perna do monge em um acesso de risos que refletia a mais pura crueldade – vamos ver se consegue fazer isso de novo.
O bravo Oyama não desferiu um grito sequer; cerrou os dentes e se virou, tentando morder a perna de Thurxanthraxinzethos. Nisso, o monge viu a sombra da enorme pata armadurada do meio dragão descer sobre sua cabeça, e tudo ficou escuro.

______________________________________________________________________


Hargor e o meio dragão Ar- Zerakk lutavam ferozmente. A resistente armadura de batalha do anão já possuía inúmeras rachaduras, graças aos poderosos golpes da lança profana de Ar- Zerakk, e o sangue que escorria do corte que sofrera na testa comprometia cada vez mais a visão do clérigo. Um dos joelhos de Ar- Zerakk já havia sido esmagado pelo martelo de Hargor, e o meio dragão só conseguia se manter de pé graças à força de sua cauda. Quando Ar- Zerakk conseguiu se aproximar o suficiente do anão, abriu a boca e desferiu seu poderoso sopro de fogo no rosto de Hargor. O clérigo, por puro reflexo, levou seu escudo ao rosto ainda a tempo de se proteger do jato de fogo que certamente incineraria sua cabeça se o atingisse. Quando Hargor ergueu seu martelo para realizar um contra-ataque, sentiu a lança de Ar- Zerakk varando sua armadura e atravessando seu diafragma. O robusto anão rosnou e se curvou de dor conforme a lança mágica de Ar- Zerakk penetrava ainda mais sua carne, enquanto espinhos se abriam de sua ponta causando severos danos internos ao já castigado corpo do clérigo.
- Você durou bastante, mas nunca teve chance, anão maldito – disse Ar- Zerakk sadicamente enquanto afundava devagar sua lança no tronco de Hargor – E ainda por cima escolheu a pior morte. Deveria ter deixado minhas chamas arrancarem sua cabeça imunda. Teria sido mais rápido.
Hargor rosnou como um animal selvagem à beira da morte. Por mais que se esforçasse, não conseguia mais manter seu martelo erguido. Como um último gesto de resistência, agarrou a lança de Ar- Zerakk com a mão que segurava o escudo e apertou firme o cabo de seu martelo.
- Isso mesmo, anão – gargalhou Ar- Zerakk enquanto cuspia no rosto de Hargor – resista bastante. Quero aproveitar bem este momento. Afinal, posso passar o dia inteiro vendo você se contorcer enquanto os espinhos de minha lança rasgam você de dentro para fora.
- E só para constar – continuou Ar- Zerakk girando a lança lentamente para provocar ainda mais dor ao clérigo anão – vou tornar você meu morto-vivo de estimação depois disso.
Em um acesso de fúria, Hargor gritou o nome de Moradin e ergueu se martelo. Ar- Zerakk riu e puxou a lança para fora do corpo do anão, mas percebeu que Hargor a mantinha presa com a outra mão que a segurava; quando Ar- Zerakk se deu conta de que àquela distância o martelo de Hargor poderia atingi-lo, já era tarde demais.
- Lembra-se do que eu disse sobre seu crânio? – gritou o anão enquanto baixava seu martelo furiosamente na cabeça de Ar- Zerakk.

O impacto do martelo de Hargor foi terrível; o crânio de Ar- Zerakk rachou, e quando o meio dragão sentiu tudo a sua volta começar a girar, percebeu mais uma forte martelada abrir seu crânio ao meio. Antes de morrer amaldiçoando todos os filhos de Moradin, Ar- Zerakk sentiu o martelo de Hargor explodir mais quatro vezes contra sua cabeça.

- Estou indo, meus irmãos – disse Hargor cuspindo sangue enquanto caia sobre o corpo de seu inimigo. Não havia forças para conjurar uma magia de cura, apenas o suficiente para esboçar um leve sorriso de satisfação ao ver o que restou do crânio de Ar- Zerakk.

______________________________________________________________________

Aramil andava com dificuldade em direção à barreira tênue que anteriormente protegia o trono do rei Karanthir. Ao seu redor, o mago via a outrora majestosa floresta dos elfos silvestres se desfazer em chamas. Quando olhava para baixo, percebia que seu manto esmeralda estava repleto de sangue. Seu sangue. Colocando a mão sobre o enorme corte em seu abdômen, ele prosseguiu se lembrando de sua batalha contra o feiticeiro meio dragão. Uma batalha rápida e dolorosamente mortal.

Aramil se protegeu dentro de uma muralha de energia, e sabia que seu inimigo se teletransportaria para dentro dela. E foi realmente isso que aconteceu.

Quando ficou de frente para o mago elfo, o meio dragão desferiu um devastador sopro de fogo. Aramil havia predito isso também, tanto que invocou a proteção elemental de um Espírito da Água, e saiu ileso do ataque de seu inimigo.

Rapidamente, Aramil contra-atacou, usando uma de suas mais poderosas magias, o raio negro da desintegração. Seu raio atingiu em cheio o meio dragão, mas um instante antes de se desintegrar, ele esfaqueou o elfo com uma adaga mágica do sangramento. Se não fosse devidamente tratado, Aramil sangraria até morrer. Isso, nem mesmo o arqui-mago de Sindhar pôde prever.

Aramil não deu um único passo sem pensar em se teletransportar para Sindhar, mas ele sabia que enfraquecido como estava, não poderia garantir que chegaria a seu destino, e sabia que as coisas aqui não estavam bem. Hargor não os alcançou como prometera e nenhum dos outros saiu da barreira.
- Raças inferiores – cuspiu o mago enquanto caminhava debilmente apoiando-se em seu cajado – não fazem nada direito.

Apesar da arrogância, Aramil sabia que dificilmente conseguiria obter êxito onde todos os seus companheiros haviam provavelmente falhado. Contudo, ele tinha um plano de emergência.

E esperava viver tempo suficiente para descobrir se ele seria frutífero ou não...

6 comentários:

  1. Agora estou muito ansioso para saber o que vai acontecer. Espero que o plano do Aramil de certo. (e que ele tenha mais um desintegrar preparado)
    Thurxanthraxinzethos não pode prevalecer depois de cometer essas atrocidades. E a Astreya não pode ser levada para o harem desse monstro horrendo.
    (A historia esta excelente, Odin, mas escrever só um capítulo por semana é muito cruel. Tente escrever dois capítulos, por favor.)

    ResponderExcluir
  2. Oyama Flagelo das Feras25 de setembro de 2010 09:33

    É... nem sempre as coisas seguem o caminho que a gente prevê.

    Ei Aramil, preste atenção no que vai fazer, agora está tudo em suas mãos, gostando ou não.

    ResponderExcluir
  3. Ai minha gastrite... eu não posso ficar nervoso Odin!

    ResponderExcluir
  4. Amigos... realmente uma grande tensão paira em meu cancioneiro. O desfecho dessa longa batalha logo se apresentará para nós...

    Obrigada sempre por vossas visitas e apreciações!

    ResponderExcluir
  5. Selwyna, a Bruxa da Rosa Negra27 de setembro de 2010 15:52

    Pela Dama Vermelha (Wee Jas), tudo isso que está acontecendo é horrível, Astreya! Esse meio-dragão monstruoso não pode ter êxito em seus planos. Uma criatura maldita que só usa as mulheres como brinquedos e para criar mais monstros assassinos. Espero que o plano de Aramil seja efetivo, mas se tratando desse elfo arrogante duvido que tenha muito sucesso.

    ResponderExcluir