Bem-vindos!

Bons amigos, valorosos guerreiros da espada e da magia, nobres bardos e todos aqueles com quem tiver o prazer de cruzar meu caminho nesta valorosa, emocionante e por vezes trágica jornada em que me encontro! É com grande alegria e prazer que lhes dou as boas-vindas, e os convido a lerem e compartilharem comigo as crônicas e canções que tenho registradas em meu cancioneiro e em meu diário...Aqui, contarei histórias sobre valorosos heróis, batalhas épicas e grandes feitos. Este é o espaço para que tais fatos sejam louvados e lembrados como merecem, sendo passados a todas as gerações de homens e mulheres de coração bravo. Juntos cantemos, levando as vozes daqueles que mudaram os seus destinos e trouxeram luz a seus mundos a todos os que quiserem ouvi-las!Eu vos saúdo, nobres aventureiros e irmãos! Que teus nomes sejam lembrados...
(Arte da imagem inicial por André Vazzios)

Astreya Anathar Bhael

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Bard's song

Já que tantos sentiram falta desta prestimosa canção, não me oponho de forma alguma a deixá-la em meu cancioneiro novamente para vosso deleite, em três versões...


Uma bela versão em estúdio...


Ao vivo, pois nada supera a energia de uma bela apresentação como esta, e do entrosamente entre público e bardo...


E um belo cover a cappella pelos talentosos bardos do grupo Van Canto...

Que as canções sobre hobbits, anões, homens e elfos estejam sempre em seus pensamentos e sonhos, bravos aventureiros!

8 comentários:

  1. Gronark, Deus do Sofrimento e Canibalismo14 de setembro de 2010 02:39

    HAHAHAHAHA, eu realmente tinha sentido falta da musica The Bard’s Song no posto sobre Blind Guardian.
    Astreya, tu deves me considerar (e com razão) a pessoa mais chata que já surgiu no sou blog (e Odin também). HAHAHAHAHAHAHAHAHA
    Lembra-se daquela vez que discutimos a luta entre Corellon e Gruumsh? Eu traduzi um pouco a historia e tu ficaste furiosa dizendo que não valia, e que não concordava e bateu o pé até quando o Odin disse para encerrarmos aquele debate (e ele não reclamou você).
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
    Quando é que sai o próximo capitulo das crônicas?
    O pessoal do meu grupo de jogo da faculdade, e eu estamos apostando 10R$ cada um para ver quem vai morrer na historia (50R$ para quem acertar). Apostei que o Erol vai morrer.
    Deves estar pensando, que tipo de pessoas apostam dinheiro para ver qual personagem terá um triste fim em uma situação tão trágica não é?
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado Lady Astreya por esta maravilhosa canção!

    ResponderExcluir
  3. Realmente, é bom ver esta nobre canção uma vez mais em teu cancioneiro, lady Astreya.

    E a versão de Van Canto é deveras bela também.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Odin e clérigo! Esta música é realmente bela.

    Gronark, não sejas injusto. Eu apenas tinha dito, naquela ocasião, que Odin preferia usar a versão original da história de Corellon e Gruumsh em suas campanhas (Lembro-me que disse "não é assim em Elgalor", e realmente não era), o que é verdade, pois meu alter-ego as joga há 6 anos. Foste tu que começaste a falar que não podíamos ganhar todas, que Odin tinha que considerar a versão nova nos Salões de Valhalla para ser mais justo, e falou sobre a Guerra nos Salões, sobre a enquete que vocês deveriam ter ganho, e etc. E eu disse que aquilo não dizia respeito as guerras ou aos salões de Odin, e sim ao que preferíamos usar em nossas campanhas e no mundo que Odin criara para nós jogarmos. Na verdade, foste vossa reação pelo meu comentário que me surpreendeu. Eu nunca disse que a história que tu me contaste não "valia" ou me ôpus ao fato de Odin colocar essa versão da história no Halls of Gods. Eu disse sim que nós utilizávamos outra, e se Odin quisesse colocar a versão velha sobre a luta dos deuses, ele teria esse direito, pois afinal na ocasião você sugeriu que Odin apenas utilizasse a versão oficial para não ter confusão. Veja que minha opinião sobre as versões de histórias no D&D e o que é oficial devem servir de guia para nossas aventuras, e não grilhão. Tu preferes essa versão agora porque provavelmente condiz mais com o que tu gostas de usar em uma campanha (Nubling havia até me dito que gostava desta versão porque ela incentivava as pessoas a jogarem com orcs). Nós preferimos a outra por questão de gosto ou do que combina mais com o cenário de Odin (afinal, nem temos a deusa Sehanine em Elgalor, e a campanha acabou tendo muitos elfos). Acho que todos devem ter essa liberdade, afinal, não vamos incorporar as mudanças de cosmologia e tantas outras da 4ed para nosso jogo. Sei que o que tu falaste foi apenas para me provocar como o vilão que é, mas gostaria de deixar claro que respeito as diversas formas como cada um gosta de jogar e suas visões diferentes sobre as temáticas de D&D, estejam elas em livros ou não.

    E ora, Gronark é deveras chato, mas esse é o objetivo, não é? Um vilão impertinente não deve ser agradável... Quanto a aposta, acho que logo poderão saber quem é o vencedor!

    ResponderExcluir
  5. Tens razão, Astreya.

    Gronark cumpre com maestria seu papel de vilão...

    ResponderExcluir
  6. Excelente blog, Astreya. Trazes canções magníficas para alegrar os corações dos aventureiros antes de partirem em alguma jornada. Dou-te os parabéns.

    ResponderExcluir
  7. Obrigada, nobre Encaitar. Seja sempre bem-vindo ao meu humilde cancioneiro!

    ResponderExcluir
  8. Há apenas uma canção restante na minha mente!

    ResponderExcluir