Bem-vindos!

Bons amigos, valorosos guerreiros da espada e da magia, nobres bardos e todos aqueles com quem tiver o prazer de cruzar meu caminho nesta valorosa, emocionante e por vezes trágica jornada em que me encontro! É com grande alegria e prazer que lhes dou as boas-vindas, e os convido a lerem e compartilharem comigo as crônicas e canções que tenho registradas em meu cancioneiro e em meu diário...Aqui, contarei histórias sobre valorosos heróis, batalhas épicas e grandes feitos. Este é o espaço para que tais fatos sejam louvados e lembrados como merecem, sendo passados a todas as gerações de homens e mulheres de coração bravo. Juntos cantemos, levando as vozes daqueles que mudaram os seus destinos e trouxeram luz a seus mundos a todos os que quiserem ouvi-las!Eu vos saúdo, nobres aventureiros e irmãos! Que teus nomes sejam lembrados...
(Arte da imagem inicial por André Vazzios)

Astreya Anathar Bhael

sábado, 27 de novembro de 2010

As Crônicas de Elgalor - Capítulo 25: Skarr


Olá amigos! É com grande honra e alegria que vos trago o vigésimo quinto capítulo das Crônicas de Elgalor, e digo-vos que a espera compensou! Sem mais delongas, vamos a leitura!


Que os ventos da boa fortuna sempre vos acompanhem, nobres aventureiros!


As Crônicas de Elgalor - Capítulo 25: Skarr


Por ODIN.


Em meio ao solo cinzento e a escura neblina que envolvia a vastidão conhecida como Terras Sombrias, os heróis de Elgalor lutavam. Contra grandes demônios alados de pele negra e olhos amarelos, esqueletos gigantes cobertos por mantos rasgados, vermes gigantes e outros monstros que nenhum deles jamais havia visto.
- Droga! – exclamou Tallin enquanto cortava a garganta de um demônio com seus dois longos punhais prateados de lâmina curvada – É o que? A quarta vez que somos atacados do nada em menos de duas horas?
- Quinta, eu acho – gritou Oyama esmagando o crânio de outro demônio – nós não conseguimos dar vinte passos sem que apareça alguém voando da neblina ou sem que saia um bicho do chão tentando nos puxar para baixo.
- E daí? – disse Bulma com um sorriso sanguinário no rosto enquanto arrancava as asas de um demônio com as mãos – Eu não agüentava mais ficar parada.
- Neste ritmo – gritou Hargor enquanto batia furiosamente seu martelo sagrado no chão, criando uma onda de luz que transformou em pó todos os esqueletos que os cercavam – não vamos conseguir chegar à Torre do Desespero.
- Se tivéssemos um mago de verdade, ele poderia nos levar até lá – provocou Oyama enquanto derrubava outro demônio.
- Guarde sua idiotice para si mesmo, maldito! Se eu tentar nos teletransportar aqui, podemos aparecer debaixo da terra ou até em outro plano – disse Aramil logo após conjurar um poderoso relâmpago que destruiu três demônios que estavam atordoados pela magia sônica que Astreya havia conjurado.
- Hargor tem razão – disse Astreya se esquivando do ataque de um demônio que foi logo depois decapitado pelo machado de Bulma – precisamos avançar mais rápido.

Alguns minutos depois, o combate se encerrou. Como das outras quatro vezes anteriores, os heróis formaram um círculo onde Tallin, Oyama e Bulma montavam guarda, enquanto Hargor curava os ferimentos de todos e Astreya e Aramil usavam magias de adivinhação para tentar encontrar um rota menos cheia de demônios. Da primeira vez, eles tentaram enviar Tallin e Oyama como batedores, mas os dois foram cercados e quase mortos antes que o restante do grupo pudesse chegar para auxiliá-los. As magias de Aramil e Astreya, apesar de se mostrarem pouco eficientes, ao menos não colocavam ninguém em risco direto.
- O que é isso? – perguntou Aramil levantando a cabeça, como se tentasse enxergar um rastro invisível – Uma magia muito poderosa esta sendo conjurada perto daqui.
- Estou sentindo – respondeu Astreya – o que pode ser?
Antes que Aramil pudesse formular uma teoria, um jato de fogo rompeu do chão a cerca de cem metros deles. O jato parecia se elevar até o céu sombrio daquela região amaldiçoada, e quando ele se apagou, Tallin, que aparentemente tinha a visão mais aguçada entre todos ali gritou.
- Por Corellon... – disse a ladina se esforçando para conter o desespero avassalador que a tomou por um instante – Aramil, nos teletransporte daqui!
- O que você está vendo, mulher? – perguntou Aramil irritado por nem mesmo seus aguçados olhos élficos serem capazes de romper a névoa e enxergar o que havia assustado tanto Tallin.
- Agora! – gritou Tallin.

Após o grito da ladina, todos gradativamente começaram ver o que surgira daquela explosão de fogo. Como se fosse controlada por uma consciência sádica, a névoa lentamente se dissipou, mostrando com clareza uma imagem que gelou por um instante o coração de todos ali. Sem exceção.

No local onde o jato de fogo havia rompido, havia centenas de guerreiros orcs, trajando pesadas camisas de cota de malha enferrujadas e portando grandes machados de lâmina vermelha. À frente deles, estava aquele que claramente era o líder. Um orc de aparentemente mais de dois metros de altura, com a constituição poderosa como a de um anão, que trajava uma camisa de cota de malha negra e carregava com uma só mão um enorme machado cuja lâmina parecia banhada em sangue fresco, que pingava lentamente no chão. Para a surpresa de todos os heróis, este orc cravou seu machado no chão e começou a andar desarmado na direção deles, enquanto seu exército permanecia imóvel.

O orc caminhava de forma lenta e extremamente arrogante, como se pudesse facilmente matar todos ali com as mãos nuas. Conforme ele foi se aproximando, os heróis começaram a reparar alguns detalhes em sua aparência nefasta. Este orc não tinha o olho direito, e seu olho esquerdo era tão vermelho quanto o sangue que cobria seu machado. Sua face era marcada por uma enorme cicatriz que varava todo o lado direito de seu rosto. Seus cabelos eram negros e desgrenhados, sua pele era cinzenta e repleta de cicatrizes e queimaduras. Astreya estacou e empalideceu ao ver o sangue e a cor do único olho da enorme criatura. Ela lembrou-se imediatamente da revelação que lhe havia sido feita pela meio-elfa que havia aparecido para ela quando perdera a consciência na floresta de Elvanna. Vermelho, a cor que lhe traria sofrimento.

- Atacamos? – perguntou Oyama para os demais enquanto o líder orc ainda estava há pouco mais de cinqüenta metros.
- Sim – rosnou Bulma.
- Não! – disse Aramil – se atacarmos ele, seu exército vai avançar sobre nós no mesmo instante. Sinto magia ali. Há conjuradores escondidos em meio aos soldados.
- Então, você também acha que eles não são uma ilusão – disse Hargor.
- Não, não são – respondeu Aramil
- Não sei o que este idiota quer conosco – disse Tallin com as mãos próximas aos cabos de suas armas – mas não estou disposta a esperar para descobrir. Aramil, sei dos riscos do teletransporte, mas não pode ser pior do que enfrentar sozinhos um exército de orcs em um campo aberto.
- Sim, pode, tola – respondeu o mago de forma sombria – acredite.
- Espere... – disse Hargor olhando para seu símbolo sagrado, como se estivesse ouvindo algo – ele nos trás uma mensagem.

Pouco depois que Hargor terminou de falar, o orc chegou, parando há dez metros de distância do grupo.
- Saudações, porcos e gazelas de Elgalor – disse o orc com um sorriso sombrio no rosto – eu sou Skarr, o Escolhido de Gruumsh.
- E o que quer conosco? – perguntou Astreya.
- Que levem uma mensagem aos seus reis covardes – respondeu Skarr em um tom rude a ameaçador – dentro de três dias, Gruumsh, o Senhor dos Orcs propõe um desafio.
- “Desafio” – repetiu Hargor demonstrando claramente o ódio que sentia.
- Sim – continuou Skarr olhando friamente para o anão – Eu duelarei com o rei de cada uma de suas raças imundas. Anões e elfos. Vocês escolhem o local, e nós escolhemos os termos.
- Que seriam... – perguntou Aramil como se não estivesse levando aquilo a sério.
- Combate homem contra homem sem a interferência de nenhuma força externa dentro de uma arena – respondeu Skarr – isso se houver homens entre suas raças medíocres.
- E por que os reis devem aceitar seu desafio, poderoso Skarr? – questionou Tallin com sarcasmo na voz.
- Porque se não o fizerem – respondeu Skarr com um sorriso malicioso – A contagem de corpos do lado de vocês vai aumentar MUITO.
- Explique melhor, Skarr – disse Oyama – até onde eu sei, até um elfo mirrado como Aramil consegue colocar a sua raça suja para correr.
- Cuidado com a boca, verme – ameaço Skarr - ou levo você ainda vivo para Aqueronte comigo. Meu exército e eu não podemos ficar neste plano por muito tempo sem agredir o acordo de “não interferência” que seus deuses patéticos criaram...
- Mas se recusarmos um desafio formal feito por um representante de um deus – completou Hargor a contragosto – isso lhes dá o direito de infligir as regras momentaneamente, o que possibilitaria que você e sua corja possam vagar por este mundo.
- Exato – respondeu Skarr – o desafio é feito para seus Grandes Reis, mas se um deles não tiver coragem o bastante para aceitar, podem mandar um representante no lugar. O resultado será o mesmo.

Skarr estendeu suas duas mãos à frente, e duas grotescas cornetas vermelhas feitas de ossos surgiram.
- Entreguem isto a seus reis – ordenou o orc – quando eles estiverem prontos para morrer nas minhas mãos, basta soprar. Lembrem-se que eles podem escolher qualquer lugar em Elgalor para os combates, mas que nenhuma interferência externa será permitida dentro da arena que meu mestre criará.
Hargor estendeu a mão e pegou uma das cornetas. Aramil fez o mesmo, mas Astreya se adiantou e pegou a corneta restante. O mago elfo olhou para a barda com recriminação, mas Astreya o ignorou e guardou a corneta em sua bolsa arcana.
- Você já disse isso antes, orc estúpido – disse Aramil de forma arrogante agora que compreendera a situação – não há necessidade de repetir.
– Um dia depois da morte de seus reis, - disse Skarr abrindo um sorriso macabro - vocês todos estarão na minha câmara de tortura.
- Isso se eu não matar você primeiro – rosnou Bulma com o machado em mãos.
- Se tentar fazer isso, meus soldados e eu ganharemos mais alguns minutos aqui – disse Skarr – Quer arriscar?
- Já deu seu recado, cão – disse Aramil de forma extremamente arrogante – agora suma, pois temos mais o que fazer.
Skarr olhou furiosamente para o elfo, mas sabia que não poderia sequer encostar em um deles naquele momento sem atrair a ira de Corellon, Moradin e talvez até outros deuses. Irritado, Skarr virou as costas e começou a andar em direção a seus homens.
- Três dias, vermes – disse ele ainda de costas – três dias.
- Como vocês saberão o local do combate? – perguntou Tallin.
- Estaremos observando vocês – respondeu Skarr sem se virar – E Aramil...
- O que foi? – perguntou o Elfo.
- Há sete anos, quando vocês começaram a lutar juntos, você tinha um cavalo – disse Skarr enquanto caminhava.
- Sim – respondeu Aramil com um sorriso – o nome dele era Gruumsh. Um lembrete para que ficasse sempre claro quem monta e quem é montado.
- Você vai pagar por isso! – respondeu Skarr emitindo um rosnado – muito caro.

Neste momento, mais um jato de fogo surgiu do chão, e Skarr e seu exército desapareceram da mesma forma abrupta como surgiram.
- E agora? – perguntou Astreya, visivelmente perturbada – precisamos avisar os reis... Três dias é muito pouco tempo para algo tão grande assim!
- É proposital – disse Hargor – mas não se preocupem, com isso agora. Vamos nos concentrar em chegar vivos à Torre do Desespero. Temos ainda um longo caminho pela frente...

6 comentários:

  1. Como sempre, Odin nos brinda com mais um excelente conto. Isso vai ter que virar livro um dia.

    ResponderExcluir
  2. Rhorvals Alhanadel, o Ciclone de Aço27 de novembro de 2010 13:05

    Tomo como minhas as palavras do nobre clérigo!

    Astreya, poderia nos falar mais sobre essa profecia de Gruumsh, e por que somente os elfos e anões estão sendo desafiados? Os humanos, gnomos, halflings não irão se envolver nessas batalhas?

    ResponderExcluir
  3. A profecia de Gruumsh será melhor explicada no livro online que será lançado no final de dezembro, e ela envolve apenas orcs, elfos e anões por causa do ódio que Gruumsh tem de Moradin e Corellon. Todavia, a profecia de Gruumsh não é o ponto central da trama, como ficará mais claro após o arco de capítulos "A Guerra dos Reis"; ela faz parte de algo muito maior, que involverá todas as raças de Elgalor.

    ResponderExcluir
  4. De fato, concordo! As Crônicas deveriam mesmo virar um livro, tanto on line quanto impresso!

    Bem, sobre a profecia, acho que a explicação de Odin está melhor do que a que eu poderia dar. Gruumsh possui uma história de ódio com Corellon e Moradin, além dessas raças viverem em constante conflito em Elgalor, mas essa profecia realmente faz parte de algo maior que envolve todas as raças e todo o nosso mundo! Esperem os próximos capítulos para mais revelações!!

    ResponderExcluir
  5. E uma compilação em PDF dos contos, não rola? Eu peguei a saga no meio, mas quero ler tudo. Sei que tem tudo aqui, só acho que o PDF com os "arcos" da história poderiam facilitar os novos leitores.

    ResponderExcluir
  6. Olá caro J. Neves, para o final de dezembro estamos planejando fazer exatamente isso: uma compilação em PDF, com melhores explicações e até a possibilidade de ilustrações dos personagens! Aguardem!

    ResponderExcluir