Bem-vindos!

Bons amigos, valorosos guerreiros da espada e da magia, nobres bardos e todos aqueles com quem tiver o prazer de cruzar meu caminho nesta valorosa, emocionante e por vezes trágica jornada em que me encontro! É com grande alegria e prazer que lhes dou as boas-vindas, e os convido a lerem e compartilharem comigo as crônicas e canções que tenho registradas em meu cancioneiro e em meu diário...Aqui, contarei histórias sobre valorosos heróis, batalhas épicas e grandes feitos. Este é o espaço para que tais fatos sejam louvados e lembrados como merecem, sendo passados a todas as gerações de homens e mulheres de coração bravo. Juntos cantemos, levando as vozes daqueles que mudaram os seus destinos e trouxeram luz a seus mundos a todos os que quiserem ouvi-las!Eu vos saúdo, nobres aventureiros e irmãos! Que teus nomes sejam lembrados...
(Arte da imagem inicial por André Vazzios)

Astreya Anathar Bhael

domingo, 22 de agosto de 2010

As Crônicas de Elgalor - Capítulo 14: Thurxanthraxinzethos


Estimados companheiros! É com grande honra e alegria que trago-vos hoje o décimo quarto capítulo das Crônicas de Elgalor, mas uma vez sob a benção e a pena de Odin!
Boa leitura, e que os ventos da boa sorte sempre soprem em vosso favor.

As Crônicas de Elgalor - Capítulo 14: Thurxanthraxinzethos


Levados pela magia de teletransporte de Aramil, o grupo de heróis foi conduzido para a Grande Floresta de Elvanna, lar dos elfos silvestres. Para o espanto de todos, o local estava em chamas, e era mais fácil ver fogo e fumaça do que árvores naquele local.

- Chegamos muito tarde? – Exclamou Astreya temendo pelo pior.
- Não... – respondeu Erol examinando atentamente o ambiente a seu redor – o fogo começou a se alastrar a pouco tempo. Ainda podemos fazer alguma coisa.
Aramil ergueu seu cajado dourado e começou a recitar uma magia:
- Nobres filhos da água e do vento, atendam agora meu chamado. Que vós e vossas crianças dancem intensamente nesta grande floresta, e que o fogo recue perante vossa força.
Instantes depois, o cajado do mago brilhou, e dois grandes elementais, um de água e outro de vento, seguidos por dezenas de espíritos elementais menores, se espalharam e começaram gradualmente a apagar o fogo daquela região.
- Os espíritos não serão capazes de apagar todo o fogo, mas impedirão que ele se alastre – disse Aramil – ao menos nessa região.
- A situação é bem pior do que eu imaginava – comentou Hargor com um semblante ainda mais sério no rosto – Segundo as lendas, Elvanna possui um encantamento semelhante àquele que protege Sindhar, uma barreira poderosa que impede qualquer um que não tenha sangue élfico de colocar os pés na floresta. Se o teletransporte conseguiu trazer Oyama, Bulma e a mim para dentro, significa que a barreira já foi destruída.
- É provável – respondeu Aramil em um tom sombrio.


Erol se abaixou, deslizou seus dedos sobre o solo e estudou-o por alguns instantes. Quando se deu por satisfeito, levantou-se e olhou para seus companheiros.

- Um grupo grande de criaturas bípedes e pesadas passou por aqui há menos de meia hora – disse o ranger - Cerca de vinte, e provavelmente estavam armaduradas. Uma delas, a maior de todas, estava visivelmente na frente, como se conduzisse a pequena tropa. Se formos rápido, podemos interceptá-los.
- Isso será difícil se corrermos no meu ritmo - resmungou Hargor – Oyama, Bulma e Erol são os mais rápidos e devem ir na frente para ganharmos tempo. Astreya, Aramil e eu seguimos logo atrás.
- Não é sábio nos separarmos, mas dada a situação – ponderou Aramil – não temos escolha.
- É verdade – respondeu Astreya – Vão, amigos, o mais rápido que puderem!

Erol concordou acenando a cabeça e o ranger, Oyama e Bulma se adiantaram rapidamente na frente. Apesar da grande dificuldade que era seguir rastros enquanto se está correndo, Erol era um ranger bastante experiente e conhecia bem aquela floresta. Por onde passavam, ele deixava uma marca com sua espada, para que Astreya, Aramil e Hargor pudessem saber para onde ele e seu grupo estavam indo.

Após alguns minutos de marcha rápida através de um caminho muito tortuoso, Erol e seus companheiros já podiam ouvir sons de gritos e espadas se chocando. Agora, sem a necessidade de seguir rastros, os três combatentes correram com todas as forças de suas pernas, e puderam ver uma grande clareira, e uma feroz batalha em curso.

Os vigorosos elfos silvestres, usando bem trabalhadas e resistentes armaduras verdes escuro, brandiam habilmente suas belas espadas élficas contra um exército de guerreiros meio dragões de couro vermelho, que trajavam pesadas armaduras peitorais e portavam grandes espadas curvadas e escudos. Ao lado dos elfos, vários animais como lobos, ursos e até leões batalhavam ferozmente. No chão, jaziam os corpos de pelo menos cinqüenta guerreiros e guerreiras élficas, e um número semelhante de meio dragões e animais selvagens. Apesar do combate parecer equilibrado naquele local, mais e mais meio dragões vermelhos pesadamente armadurados adentravam o campo de batalha.
- Eles estão vindo por todos os lados – disse Erol sacando suas espadas enquanto corria na direção de um meio dragão.
- Ótimo! – gritou Bulma enquanto rosnava e entrava em um estado de fúria sanguinária.
Oyama, que era capaz de correr ainda mais rápido que seus companheiros, avançou, deu um salto para frente e desferiu um poderoso chute circular que atingiu a cabeça de uma meio dragão com a força de dez martelos. A criatura baqueou, rosnou e furiosamente desferiu um golpe de sua pesada espada contra o monge.
- Isso não vai ser fácil – resmungou Oyama para si mesmo enquanto se esquivava do golpe de seu inimigo e desferia um soco certeiro bem na garganta do meio dragão, que por muito pouco não permaneceu de pé – isso não vai ser fácil...

Sabendo que o couro dos meio dragões era extremamente resistente, e que além disso eles estavam bastante armadurados, Erol conteve sua velocidade e permitiu que o meio dragão que enfrentava atacasse primeiro. O meio dragão desferiu uma mordida que teria arrancado o braço do ranger se ele não tivesse desviado, e em seguida, golpeou furiosamente com sua espada. Erol bloqueou com dificuldade o golpe de seu inimigo com a espada de sua mão esquerda, firmou sua base, e com o braço direito enterrou sua outra espada no olho do meio dragão, que uivou de dor e em seguida caiu morto no chão.

Bulma correu na direção de um meio dragão completamente sedenta por sangue. Ela já estava há dias sem lutar e desejava compensar todo este período de morosidade neste combate. O meio dragão, ao reconhecer que aquela era uma oponente que poderia fazer frente a sua força física, respirou fundo e lançou um sopro de fogo em direção à bárbara meio orc. Bulma apenas protegeu os olhos com os braços e continuou em frente, sentindo seu corpo queimar, mas sem diminuir o ritmo de seu ataque em momento algum. Surpreso, o meio dragão posicionou seu escudo e se preparou para desferir uma poderosa estocada no peito da bárbara. Bulma, no entanto, por puro instinto se esquivou do golpe de espada e baixou ferozmente seu machado sobre o braço do meio dragão, arrancando-o impiedosamente. Tomado pela dor e pela surpresa, o meio dragão cambaleou, e quando se posicionou novamente, foi apenas para ver o feroz machado de Bulma atravessando seu pescoço com uma força indescritível.

O combate prosseguiu intenso por mais alguns minutos; nobres guerreiros elfos, animais selvagens e poderosos meio dragões caiam um a um em meio a uma imensa carnificina, até no fim só restarem Oyama, Erol e Bulma de pé no campo de batalha. De pé, mas extremamente feridos.

- Irmão... – disse um guerreiro elfo à Erol, com grande dificuldade. Ele estava caído no chão com um grave ferimento em seu abdômen - Vocês precisam salvar o rei Karanthir. Se Thurxanthraxinzethos chegar até ele, estaremos todos condenados...
- Quem? – perguntou Oyama.
- Provavelmente o líder dos meio dragões – respondeu Erol ao ver que o guerreiro elfo perecera devido à gravidade de seu ferimento – precisamos partir agora. O Grande Carvalho do rei Karanthir fica a norte daqui. Porém...
- Porém o que, elfo? – interrompeu Bulma enquanto cuspia sangue.
- Se formos neste estado, não ajudaremos em nada – respondeu o ranger irritado, observando que os três mal conseguiam se manter de pé – precisamos esperar Hargor e Astreya.
- Não... – disse Oyama colocando a mão em uma pequena bolsa presa a seu pesado cinturão - Quando saímos de Darakar, Hargor meu deu isto para eventuais emergências.
O monge tirou três pequenas poções, abriu e tomou uma e deu as restantes para Erol e Bulma.
- Bebam – disse ele enquanto seus ferimentos lentamente se fechavam- Eu ainda tenho mais uma sobrando.
- Ótimo – respondeu Erol bebendo sua poção enquanto fazia uma pequena marca no chão com sua espada, para indicar a seus amigos o caminho que os três haviam seguido.
- Vamos logo – disse Bulma após tomar a poção e sentir suas forças retornarem – quero ver como é esse tal de Thurxanthraxinzethos...

12 comentários:

  1. Fantástico e empolgante. Mal posso esperar pela continuação.

    ResponderExcluir
  2. Hm... Um vilão novo? E muito perigoso pelo visto. Ele domina a mortífera técnica do "Vc Pode Quebrar a Língua Pronunciando meu Nome Rapidamente". E uma torção na língua é um ferimento sério, e poucos meios de cura existem pra isso até hoje.

    ResponderExcluir
  3. Gronark, Deus do Sofrimento e Canibalismo22 de agosto de 2010 18:48

    HAHAHAHA, vocês heróis tolos e ignóbeis, não irão impedir o grande Thurxanthraxinzethos, de comer o coração de Karanthir. E um de vocês ainda ira morrer, e eu estou me divertindo muito com essa desgraça. Estou ouvindo o choro das crianças que tiveram os pais mortos cruelmente pelos meio dragões, e isso é musica de harpa para meus ouvidos!
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

    ResponderExcluir
  4. Verhanna Folha Selvagem, a Arquidruidisa de Kharnat22 de agosto de 2010 19:00

    Maldito sejas Gronark! E maldita seja eu, por ter falhado com meu povo dessa forma. Eu nunca deveria ter ido com meu marido para Sigil. Nós poderíamos ter ajudado a evitar muitas desgraças.

    ResponderExcluir
  5. Acho que eu deveria ter ido com vocês. Espero que vocês consigam salvar Karanthir, o mais rápido possível. Esse suspense está acabando com meus nervos.

    ResponderExcluir
  6. Gruumsh, O Deus dos Orcs22 de agosto de 2010 19:12

    Eles não irão salvar ninguém, Gnomo insignificante!
    Logo meus Avatares irão devastar Elgalor, e irei me vingar do maldito humano mouro por ter me derrotado! Assim que tiver Exordius, a Estripadora de Deuses em minhas mãos, eu irei destruir todos os deuses de bem e Hextor pessoalmente! O mundo será dos Orcs e todos os outros serão nosso gado!

    ResponderExcluir
  7. Tensão total nos recentes capítulos dessa incrível saga... espero que logo saia o ebook dos "Contos da Blogosfera", para podermos lê-la na íntegra.

    Viva Odin por nos trazer tanta emoção com sua pena.

    ResponderExcluir
  8. Olá amigos! Essa parte de nossa história é deveras emocionante... na próxima semana poderemos ver mais um capítulo... mesmo eu fico ansiosa para ver como Odin vai relatar nossos feitos! Obrigada a todos pelas visitas e comentários!

    Gronark, sua fera imunda, apenas tu poderias se regozijar com algo tão baixo e melancólico. Verhanna e Nubling, não se preocupem. Eu acredito que Elvanna há de se reerguer, e vocês podem fazer parte disso!

    Nobre Clérigo, ficamos felizes com vossa apreciação, mas infelizmente eu tenho de informar a ti que o conto de Odin publicado nos "contos da blogosfera" não são as Crônicas de Elgalor na íntegra, e sim a parte que relata nosso combate com Charoxx, o Dragão... havia um limite de caracteres e páginas para publicar nos Contos da Blogosfera também, e por isso Odin escolheu apenas uma parte para mandar para os nobres Dragões, que se adequasse ao tamanho exigido...

    E, como disse Hayashi, não tentem pronunciar o nome de Thur inteiro. Podem sofrer uma terrível torção de língua...

    ResponderExcluir
  9. Rhorvals Alhanadel, o Ciclone de Aço23 de agosto de 2010 14:37

    Como podemos ajudar a reerguer Elvanna, Astreya?
    Mais uma vez, obrigado por sua amizade com minha filha. Eu ajudarei no que puder para impedir Gronark de libertar os Antigos. Apenas gostaria de saber, como tantas pessoas podem apoiar um monstro desses a libertar essas abominações antigas, para espalhar o caos e a morte pelo mundo?

    ResponderExcluir
  10. Bom, fico triste por não ser a história completa que será publicada nos contos da blogosfera, mas alegro-me que tenha sido escolhida uma parte bastante enérgica e bem escrita.

    De qualquer forma, após a conclusão da saga, um ebook a parte poderia ser disponibilizado. Ficaria muito grato!

    ResponderExcluir
  11. Sim, acredito que Odin tem planos para isso, nobre clérigo! Seria mesmo deveras interessante. Obrigada pelo interesse e pelo apoio!

    ResponderExcluir
  12. Fico feliz que estejam apreciando as Crônicas, nobres amigos. Até o final deste ano pretendo disponibilizar um e-book com os primeiros 20 ou 25 capítulos desta saga.

    De qualquer modo, agradeço a todos por vosso importante apoio.

    ResponderExcluir